Secretaria de Habitação e Defesa Civil reúne órgãos para discutir criação do Plano Municipal de Contingência

Na última segunda-feira (21), a Secretaria de Habitação e Defesa Civil do município realizou no Centro Cultural Fênix uma palestra para tratar da criação do Plano Municipal de Contingência. O evento contou com a participação dos secretários Edna Gonçalves (Gabinete), Max Lopes (Educação), Carlos Mendes (Articulação Política), técnicos da secretaria do Meio Ambiente, Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano, Turismo, Assistência Social, oficiais da Polícia Militar e 3ª CIBM Mamanguape, SAMU e com membros da sociedade civil.

O Plano de Contingência é o conjunto de procedimentos e ações para atender as situações de risco e atendimento a emergências em que seja necessária a intervenção da Prefeitura de Mamanguape na redução de eventos adversos no sentido de minimizar os seus efeitos. 

O objetivo principal é definir uma estrutura operacional e medidas de prevenção, alerta e emergência para situações de calamidade parcial ou total, provocadas por chuvas, fenômenos de ordem natural e/ou humana. Através da criação desse mecanismo será possível estabelecer as atribuições de cada uma das Secretarias Municipais e Instituições parceiras que compõem o plano municipal de contingência, com vistas a preservar vidas e restabelecer a situação de normalidade no município, no menor prazo possível.

A palestra foi apresentada pela Tenente Jinarla, que abordou o ponta pé inicial para a criação do plano e falou da necessidade de realização de um estudo prévio, com a elaboração de um mapa de risco da cidade que aponte as regiões que possuam maiores riscos para a população. “A partir de então nós iremos trabalhar de forma conjunta com diversos setores, tanto setores da própria gestão, como instituições, entre as quais o Corpo de Bombeiros, o SAMU, a Polícia Militar e a partir disso determinar quais ações adotar de forma prática,” disse a Tenente.

Alex Figueiredo, secretário de habitação e defesa civil, abordou as tragédias ocorridas nos últimos dias no país em razão de desastres naturais, como as chuvas de Petrópolis, as inundações na Bahia e em Minas Gerais, assim como os temporais que atingiram a Paraíba. “O Plano de Contingência nada mais é do que o estabelecimento de ações de proteção de defesa civil, elaborado a partir de uma determinada hipótese de eventual acometimento por um desastre, é um documento no qual estão definidas responsabilidades de atuação,” disse Aléx.

Segundo o secretário de educação, Max Lopes, as ações de um Plano de Contingência não estão restritas a única secretaria, devendo envolver vários outros setores do órgão público para que haja de fato um fortalecimento dessas ações. “A educação pode apoiar desde o âmbito de conscientização, fazendo campanhas educativas junto às comunidades que estão próximas a essas áreas, como também apoiando com a estrutura física das escolas caso surja alguma eventualidade”, disse o secretário.

COMPARTILHAR